Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2015

BREVE ENSAIO EXEGÉTICO NO NOVO TESTAMENTO: UM ESTUDO DE CASO EM 1ª João 2.12-14

BREVE ENSAIO EXEGÉTICO NO NOVO TESTAMENTO: UM ESTUDO DE CASO EM 1ª João 2.12-14 Rev. João Ricardo Ferreira de França* Filhinhos, eu vos escrevo, porque os vossos pecados são perdoados, por causa do seu nome.  13 Pais, eu vos escrevo, porque conheceis aquele que existe desde o princípio. Jovens, eu vos escrevo, porque tendes vencido o Maligno.  14 Filhinhos, eu vos escrevi, porque conheceis o Pai. Pais, eu vos escrevi, porque conheceis aquele que existe desde o princípio. Jovens, eu vos escrevi, porque sois fortes, e a palavra de Deus permanece em vós, e tendes vencido o Maligno.  Introdução:             Sabemos que o apóstolo João escreve as suas cartas com a finalidade de rebater o gnosticismo incipiente promovido pelos falsos mestres[1] nas comunidades cristãs as quais ele escreve as suas cartas. No trecho de abertura desta cara (1.1-4) o autor procura mostrar, em termos gerais, que tenciona ressaltar a temática da encarnação do verbo.[2]             Vale salientar que carta é marcada …

OS SACRAMENTOS NA TRADIÇÃO LITÚRGICA REFORMADA.

OS SACRAMENTOS NA TRADIÇÃO LITÚRGICA REFORMADA:
Rev. João Ricardo Ferreira de França.*
A doutrina dos sacramentos da Igreja Presbiteriana está intimamente ligada à concepção calvinista destes mistérios da salvação. “A teologia sacramental do reformador João Calvino encontra-se principalmente nos capítulos XIV a XIX do livro IV da Instituição da Religião Cristã (Institutas) [...]”[1]. Essa tradição calvinista se faz presente nos símbolos de fé de Westminster que são padrões confessionais da Igreja Presbiteriana.             O que é um sacramento? O Catecismo Maior responde:
Um sacramento é uma santa ordenança instituída por Cristo em sua Igreja, para significar, selar e conferir àqueles que estão no pacto da graça os benefícios da mediação de Cristo; para os fortalecer e lhes aumentar a fé e todas as mais graças, e os obrigar à obediência; para testemunhar e nutrir o seu amor e comunhão uns para com os outros, e para distingui-los dos que estão fora.[2]
1 – O BATISMO CRISTÃO:
O sacramento…

OS OFICIANTES DO CULTO.

OS OFICIANTES DO CULTO.Pr. João Ricardo Ferreira de França.
            Jacque J. Von Allmen  traz uma abordagem muito interessante sobre este tópico, ele coloca-nos frente a uma discussão sobre os oficiantes litúrgicos, apresentando 4 personagens desta ação litúrgica: Deus, os fiéis, os anjos e o mundo.[1] Por questões de brevidade, cumprindo a finalidade deste trabalho, abordaremos apenas a relação de dois oficiantes litúrgicos.
1 – Deus.Muitas vezes negligenciamos o conceito revelacional de que Deus é quem ordena a adoração; isto é assegurando na Confissão de Fé de Westminster quando declara: “[...]Da parte dos anjos e dos homens e de qualquer outra criatura lhe são devidos todo o culto, todo o serviço e obediência, que ele há por bem requerer deles.”(CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER, CAPÍTULO 2, SEÇÃO 2).             O culto é teocêntrico porque ele centraliza em Deus e é para Deus. Devemos nos lembrar que é a “ordem de Deus que transforma o ato de culto em algo mais do que mero des…